MENU

Search

Alenquer – A expectativa é de chuvas intensas para o mês de maio

Chuvas podem atingir até 400 mm durante o mês de maio na região

Compartilhar:

De acordo com O boletim climático da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) o mês de maio seguirá chuvoso na Região Oeste do Pará.

Alenquer, Óbidos e Oriximiná, apresentam expectativa de chuva maior do que o habitual para este período do ano, com índices variando entre 300 e 400 milímetros de chuva no mês.

Mesmo sendo um mês considerado de transição entre o período chuvoso e o seco, maio apresenta previsão máxima de até 500 milímetros de chuva em pontos do Estado como na Região Metropolitana e do Arquipélago do Marajó.

Saulo Carvalho, coordenador do Núcleo de Monitoramento Hidrometeorológico da Semas, explica que condições oceânicas dão continuidade das chuvas nessas regiões. “Os oceanos são as principais fontes de umidade para a formação de nuvens e chuvas na região, como ainda estão muito ativos, especialmente o oceano atlântico equatorial, ainda há muita umidade disponível para a formação de chuvas”.

Nas demais regiões do Pará o volume de chuvas deve permanecer entre os 100 e 150 milímetros, índice considerado normal pelos especialistas da Semas. “Com o passar dos dias, em geral, devemos ter uma elevação da temperatura de modo geral no Estado, especialmente pela parte da manhã e início da tarde, com formação de chuvas durante o final da tarde e início da noite”, finaliza o coordenador.

Alenquer - A expectativa é de chuvas intensas para o mês de maio
R$

De acordo com O boletim climático da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) o mês de maio seguirá chuvoso na Região Oeste do Pará.

Alenquer, Óbidos e Oriximiná, apresentam expectativa de chuva maior do que o habitual para este período do ano, com índices variando entre 300 e 400 milímetros de chuva no mês.

Mesmo sendo um mês considerado de transição entre o período chuvoso e o seco, maio apresenta previsão máxima de até 500 milímetros de chuva em pontos do Estado como na Região Metropolitana e do Arquipélago do Marajó.

Saulo Carvalho, coordenador do Núcleo de Monitoramento Hidrometeorológico da Semas, explica que condições oceânicas dão continuidade das chuvas nessas regiões. “Os oceanos são as principais fontes de umidade para a formação de nuvens e chuvas na região, como ainda estão muito ativos, especialmente o oceano atlântico equatorial, ainda há muita umidade disponível para a formação de chuvas”.

Nas demais regiões do Pará o volume de chuvas deve permanecer entre os 100 e 150 milímetros, índice considerado normal pelos especialistas da Semas. “Com o passar dos dias, em geral, devemos ter uma elevação da temperatura de modo geral no Estado, especialmente pela parte da manhã e início da tarde, com formação de chuvas durante o final da tarde e início da noite”, finaliza o coordenador.

R$